Gentoo Logo

Aviso : Este documento não é válido e não é mais mantido.


[ << ] [ < ] [ Início ] [ > ] [ >> ]


2. Escolhendo a mídia de instalação correta

Conteúdo:

2.a. Requisitos de hardware

Introdução

Antes de começar, primeiro iremos listar que requisitos de hardware você precisa para instalar o Gentoo com sucesso em sua máquina.

Requisitos de hardware

Memória 64 MB
Espaço em disco 1.5 GB (menos o espaço de swap)
Espaço de swap No mínimo 256 MB

Você também deve ver o documento Requisitos de hardware para MIPS disponível em nosso website.

2.b. Notas de instalação

Uma nota sobre arquiteturas de processador

Em muitas arquiteturas, o processador passou por várias gerações, cada nova geração construída nos fundamentos da anterior. O MIPS não é exceção. Existem várias gerações de CPU cobertas na arquitetura MIPS. Para poder escolher sua tarball de imagem de inicialização de rede (netboot) e CFLAGS adequadamente, você precisa estar ciente a que família a CPU de seu sistema pertence. As famílias são referidas como a Instruction Set Architecture (arquitetura de conjunto de instruções).

MIPS ISA 32/64-bits CPUs cobertas
MIPS 1 32-bits R2000, R3000
MIPS 2 32-bits R6000
MIPS 3 64-bits R4000, R4400, R4600, R4700
MIPS 4 64-bits R5000, RM5000, RM7000 R8000, R10000, R12000, R14000, R16000
MIPS 5 64-bits Nenhuma ainda

Também, outro conceito importante a entender é o de endianness. Endianness refere-se ao jeito que uma CPU lê palavras da memória principal. Uma memória pode ser lida como um big (grande) endian (bit mais significante primeiro), ou little (pequeno) endian (bit menos significante primeiro). Máquinas Intel x86 são geralmente Little endian, enquanto máquinas Apple e Sparc são Big Endian. Em MIPS, pode ser qualquer um. Para separá-los, nós anexamos el ao nome da arquitetura para denotar little endian.

Arquitetura 32/64-bits Endianness Máquinas cobertas
mips 32-bits Big Endian Silicon Graphics
mipsel 32-bits Little Endian DECStations, servidores Cobalt, PlayStation 2
mips64 64-bits Big Endian Silicon Graphics
mips64el 64-bits Little Endian servidores Cobalt, PlayStation 2

Para os que quiserem aprender mais sobre ISAs, os seguintes websites podem ser úteis.

A tarball de Stage3

Uma tarball de stage3 é um arquivo contendo um ambiente Gentoo mínimo, que serve para continuar a instalação do Gentoo usando as instruções deste manual. Antigamente, o Manual do Gentoo descrevia a instalação usando uma de três tarballs de stage. Embora o Gentoo ainda ofereça tarballs de stage1 e stage2, o método de instalação oficial usa a tarball de stage3. Se você estiver interessado em fazer uma instalação do Gentoo usando uma tarball de stage1 ou stage2, por favor leia as perguntas freqüentes do Gentoo sobre Como instalo o Gentoo usando uma tarball de Stage1 ou Stage2?

2.c. Visão geral da inicialização via rede (netboot)

Nesta seção, iremos cobrir o que você precisa para fazer inicialização de rede com sucesso em uma estação de trabalho Silicon Graphics ou um servidor Cobalt. Este é apenas um breve guia, sem a intenção de ser completo. Para mais informações, eu recomendo ler o Guia sem disco.

O que você precisa: dependendo da máquina, existe uma certa quantidade de hardware de que você irá precisar para poder fazer inicialização via rede com sucesso e instalar o Linux.

  • Em geral:
    • servidor de DHCP/BOOTP (ISC DHCPd recomendado)
    • Paciência -- e muita
  • Para estações de trabalho Silicon Graphics:
    • servidor TFTP (tftp-hpa recomendado)
    • Se você quiser/precisar usar o console serial:
      • MiniDIN8 --> cabo serial RS-232
      • Cabo de null-modem
      • VT100 ou terminal compatível com ANSI capaz de 9600 baud
  • Para servidores Cobalt (NÃO o Qube original):
    • servidor de NFS
    • Cabo de null-modem
    • VT100 ou terminal compatível com ANSI capaz de 115200 baud

Nota: Máquinas SGI usam um conector MiniDIN 8 para portas seriais. Aparentemente cabos de modem da Apple funcionam bem como cabos seriais, mas com as máquinas da Apple sendo equipadas com modems USB & internos, estão ficando cada vez mais difíceis de encontrar. Alguns sites descrevem como fazer os cabos (Google é seu amigo). O seguinte site descreve como fazer um cabo. Está em alemão, mas tem um diagrama de fiação decente. http://www.arbeitsplatzvernichtung-durch-outsourcing.de/marty44/sgihard.html

Nota: Para o terminal, pode ser um terminal VT100/ANSI real, ou pode ser um PC rodando software de emulação de terminal (como HyperTerminal, Minicom, seyon, Telex, xc, screen -- qualquer que seja sua preferência). Não importa que plataforma a máquina rodar -- contanto que tenha uma porta serial RS-232 que você possa usar e o software apropriado.

Nota: Note que este guia NÃO cobre o Qube original. O servidor Qube original não tem uma porta serial em sua configuração padrão, e portanto não é possível instalar o Gentoo nele sem a ajuda de uma chave de fenda e uma máquina de surrogado para a instalação. O seguinte site tem um guia para instalar o Gentoo nessas máquinas. http://www.metzner.org/projects/qube/

Configurando TFTP e DHCP -- um breve guia

Ok, então você juntou todas partes, agora vamos configurar tudo. Como mencionei anteriormente -- este não é um guia completo, é uma configuração de esqueleto que só irá pôr as coisas para funcionar. Você pode usá-lo para configurar do zero, ou usar as sugestões para corrigir sua configuração existente para suportar inicialização via rede.

Vale notar que os servidores usados não precisam estar rodando Gentoo Linux, você pode muito bem usar FreeBSD ou qualquer outra plataforma Unix-like. No entanto, este guia irá presumir que você está rodando Gentoo Linux. Você também pode rodar TFTP/NFS em uma máquina separada do servidor de DHCP se desejado.

Primeiro passo -- configurando DHCP. Para que o daemon de ISC DHCP responda a pedidos de BOOTP (necessários ao BOOTROM de SGI & Cobalt), você precisa primeiro ativar BOOTP dinâmico no alcance de endereços em uso; então configure uma entrada para cada cliente apontando para a imagem de inicialização.

Listagem de código 3.1: Instalando DHCP da ISC

# emerge dhcp

Uma vez instalado você precisa criar o /etc/dhcp/dhcpd.conf. Aqui está um esqueleto de configuração para começar.

Listagem de código 3.2: Esqueleto de dhcpd.conf

# Diga para o dhcpd desligar DNS dinâmico.
# dhcpd irá recusar-se a iniciar sem isso.
ddns-update-style none;

# Crie uma subnet:
subnet 192.168.10.0 netmask 255.255.255.0 {
  # Alcance de endereços para nossos clientes carregando. Não se esqueça da parte 'dynamic-bootp'!
  pool {
    range dynamic-bootp 192.168.10.1 192.168.10.254;
  }

  # servidores de DNS e roteador padrão -- substitua como necessário
  option domain-name-servers 203.1.72.96, 202.47.56.17;
  option routers 192.168.10.1;

  # Diga ao servidor de DHCP que é autoritativo nesta subnet.
  authoritative;

  # Permita que BOOTP seja usado na subnet.
  allow bootp;
}

Com esta configuração, pode-se colocar qualquer número de clientes dentro da subnet. Nós iremos cobrir o que você necessita colocar mais para frente no guia.

Próximo passo -- configurando o servidor de TFTP. Para os propósitos deste guia, irei restringi-lo ao daemon de TFTP tftp-hpa. Eu mesmo uso em máquinas SGI, servidores Cobalt e clientes PXE sem nenhum problema. A instalação e configuração é bem direta:

Listagem de código 3.3: Instalando tftp-hpa

# emerge net-ftp/tftp-hpa

Agora, eu pessoalmente gosto de colocar meu diretório /tftpboot no /home onde eu tenho mais espaço. Isto é totalmente opcional, e pode ser configurado no arquivo /etc/conf.d/in.tftpd. Para os propósitos deste guia, irei presumir que você deixou-o no lugar padrão.

Agora que tudo está configurado, estamos prontos para a parte divertida -- ajustar nossa configuração para servir na máquina que queremos inicializar via rede.

2.d. Inicialização de rede em estaços de trabalho SGI

Baixando uma imagem de inicialização de rede

Dependendo do sistema em que você está instalando existem várias imagens possíveis para serem baixadas. Estão todas marcadas de acordo com o tipo de sistema e a CPU para a qual são compiladas. Os tipos de máquina são como a seguir:

Código de nome Máquinas
IP22 Indy, *Indigo 2, **Challenge S
IP26 *Indigo 2 Power
IP27 Origin 200, Origin 2000
IP28 *Indigo 2 Impact
IP30 Octane
IP32 O2

Nota: * É um engando comum confundir o IRIS Indigo (IP12 com CPU R3000 ou IP20 com CPU R4000, nenhum dos quais roda Linux) o Indigo 2 (IP22, que roda Linux sem problemas), o Indigo 2 Power baseado em R8000 (que não roda nenhum Linux) e o Indigo 2 Impact baseado em R10000 (IP28, que é altamente experimental). Por favor tenha em mente que são máquinas diferentes.

Nota: ** No Challenge S, a porta de rede UTP é pendurada em uma placa WD33C95 SCSI, que atualmente não é suportada no Linux. Por causa desta limitação, você precisará usar um transreceptor AUI-->UTP conectado na porta AUI.

Também no nome de arquivo, r4k refere-se a processadores da série R4000, r5k para R5000, rm5k para o RM5200 e r10k para R10000. Você irá encontrar as imagens disponíveis em http://dev.gentoo.org/~kumba/mips/netboot.

Configuração de DHCP para um cliente SGI

Uma vez que você tenha baixado o arquivo, simplesmente coloque-o em seu diretório /tftpboot. Então edite seu /etc/dhcp/dhcpd.conf e adicione uma entrada para seu cliente SGI.

Nota: Você pode ter que criar o diretório /tftpboot se ele não já existir.

Listagem de código 4.1: trecho de dhcpd.conf para estação de trabalho SGI

subnet xxx.xxx.xxx.xxx netmask xxx.xxx.xxx.xxx {
  # ... parte normal aqui ...

  # Estração de trabalho SGI... troque 'sgi' pelo hostname da máquina SGI.
  host sgi {
  
    # Endereço de MAC da máquina SGI. Normalmente escrito na parte de trás
    # ou base da máquina.
    hardware ethernet 08:00:69:08:db:77;

    # Servidor de TFTP do que baixar (por padrão, igual ao servidor de DHCP)
    next-server 192.168.10.1;

    # Endereço IP para dar para a máquina SGI
    fixed-address 192.168.10.3;

    # Nome do arquivo para o PROM baixar e carregar
    filename "/gentoo-r4k.img";
  }
}

Opções de kernel

Estamos quase terminando, mas ainda há duas pequenas mudanças ainda a fazer. Abra um console com privilégios de administrador (root), e digite os seguintes comandos.

Listagem de código 4.2: Alguns ajustes para máquinas SGI para que o TFTP funcione devidamente

(Desative "Path Maximum Transfer Unit", ou o SGI Prom não irá encontrar o kernel)
# echo 1 > /proc/sys/net/ipv4/ip_no_pmtu_disc

(Ajuste a amplitude de portas que o SGI PROM pode usar)
# echo "2048 32767" > /proc/sys/net/ipv4/ip_local_port_range

Isto deve ser o suficiente para permitir que o servidor de Linux funcione bem com o PROM da SGI.

Iniciem seus Daemons...

Neste ponto, você deve estar pronto para iniciar os daemons. Digite o seguinte:

Listagem de código 4.3: Iniciando os daemons de DHCP e TFTP

# /etc/init.d/dhcp start
# /etc/init.d/in.tftpd start

Se nada deu errado no último passo você deve estar pronto para ligar a estação de trabalho e continuar com o guia. Se o servidor de DHCP não estiver iniciando por algum motivo, tente rodar 'dhcpd' na linha de comando e veja se o que ele diz a você -- se tudo estiver bem, ele deve simplesmente ir para o background, caso contrário você verá 'exiting.' abaixo de sua reclamação.

Um jeito fácil de verificar se o daemon de tftp está rodando é digitar o seguinte comando -- se você vir algo como a saída mencionada abaixo -- tudo está bem.

Listagem de código 4.4: Verificando que o TFTPd está rodando

# netstat -al | grep ^udp
udp        0      0 *:bootpc                *:*
udp        0      0 *:631                   *:*
udp        0      0 *:xdmcp                 *:*
udp        0      0 *:tftp                  *:* <-- (procure esta linha)

Fazendo inicialização via rede da máquina SGI

Ok, tudo está pronto, DHCP e TFTP estão rodando. Agora está na hora de iniciar a máquina SGI. Ligue a unidade -- quando você vir a tela "Running power-on diagnostics", clique em "Stop For Maintenance" ou aperte ESCAPE. Você verá um menu parecido com o seguinte. Digite os comandos como mostrados abaixo.

Listagem de código 4.5: Menu de manutenção do SGI PROM

        Running power-on diagnostics

System Maintenance Menu

1) Start System
2) Install System Software
3) Run Diagnostics
4) Recover System
5) Enter Command Monitor

Option? 5
Command Monitor. Type "exit" to return to the menu.
>> bootp(): root=/dev/ram0

Deste ponto em diante, a máquina deve começar a carregar a imagem, então, aproximadamente 20 segundos depois, começar a carregar o Linux. Se tudo estiver bem, você deverá ver a shell de Busybox ash como vista abaixo, de onde você pode ir para Configurando sua rede.

Listagem de código 4.6: Quando as coisas estão indo bem...

init started:  BusyBox v1.00-pre10 (2004.04.27-02:55+0000) multi-call binary

Gentoo Linux; http://www.gentoo.org/
 Copyright 2001-2004 Gentoo Technologies, Inc.; Distributed under the GPL

 Gentoo/MIPS Netboot for Silicon Graphics Machines
 Build Date: April 26th, 2004

 * To configure networking, do the following:

 * For Static IP:
 * /bin/net-setup <IP Address> <Gateway Address> [telnet]

 * For Dynamic IP:
 * /bin/net-setup dhcp [telnet]

 * If you would like a telnetd daemon loaded as well, pass "telnet"
 * As the final argument to /bin/net-setup.

Please press Enter to activate this console.

Resolução de problemas.

Se a máquina estiver sendo teimosa e recusando-se a baixar sua imagem, pode ser uma de duas coisas, (1) você fez alguma confusão em algum lugar, ou (2) ela precisa ser gentilmente convencida. (Não, abaixe o martelo!) Aqui está uma lista de coisas que você pode verificar:

  • O dhcpd está dando um endereço IP para a máquina SGI. Você deve ver algumas mensagens sobre um pedido de BOOTP nos registros de sistema. tcpdump também é útil aqui.
  • As permissões estão corretas no diretório de tftp (normalmente /tftpboot -- deve ler legível globalmente)
  • Verifique registros de sistema para ver o que o servidor tftp está dizendo (erros às vezes)

Se você houver verificado tudo no servidor, e você estiver obtendo timeouts, etc na máquina SGI, tente digitar o seguinte no console.

Listagem de código 4.7: Convencendo o SGI PROM a funcionar

>> resetenv
>> unsetenv netaddr
>> unsetenv dlserver
>> init
>> bootp(): root=/dev/ram0

2.e. Inicialização via rede em servidores Cobalt

Visão geral do procedimento de inicialização de rede

Ao contrário de máquinas SGI, servidores Cobalt usam NFS para transferir seu kernel para inicialização. Você carrega a máquina segurando os botões de setas esquerda & direita enquanto estiver ligando a máquina. A máquina irá então tentar obter um número de IP via BOOTP, montar o diretório /nfsroot do servidor via NFS, então tentar baixar e carregar o arquivo vmlinux_raq-2800.gz que presume ser um binário ELF padrão.

Infelizmente, o Cobalt BOOTROM não nos dá opção neste procedimento, então o arquivo TEM que residir no diretório /nfsroot, e deve ser menor que 675kB. Neste guia, iremos configurar o CoLo para nos permitir carregar kernéis maiores que este limite. O CoLO também suporta discos de ram embedded, eliminando portanto a necessidade de um sistema de arquivos de raiz completo em /nfsroot.

Baixando uma imagem de inicialização de rede

Dentro de http://dev.gentoo.org/~kumba/mips/cobalt/netboot/ você irá encontrar as imagens de inicialização necessárias para fazer um Cobalt iniciar e rodar. Os arquivos que você precisa terão o nome cobalt-netboot-YYYYMMDD.img.gz -- selecione o mais recente e coloque-o em seu diretório /nfsroot. Para conveniência, renomeie o arquivo para gentoo-cobalt.img.gz -- irei presumir que você fez isso.

Uma vez feito, vá para http://www.colonel-panic.org/cobalt-mips/ e baixe o último lançamento do gerenciador de inicialização CoLo. Descompacte-o em algum lugar conveniente. Dentro do diretório colo-1.XX/binaries criado, você deve encontrar um arquivo chamado colo-chain.elf. Faça gzip do arquivo e coloque-o em /nfsroot chamando-o de vmlinux_raq-2800.gz. Também, em alguns casos, você precisará criar um link simbólico chamado boot que aponta de volta para /nfsroot. Você pode fazer isto de uma tacada só usando os seguintes comandos:

Nota: Por favor note, o RaQ1 e Qube 2700 procuram por vmlinux.gz ao invés de vmlinux_raq-2800.gz.

Listagem de código 5.1: Colocando CoLo no nfsroot

# tar -xzvf colo-1.XX.tar.gz
# cd colo-1.XX/binaries

(Para Qubte 2800, RaQ2, etc)
# gzip -9vc colo-chain.elf > /nfsroot/vmlinux_raq-2800.gz

(Para RaQ1, Qube 2700)
# gzip -9vc colo-chain.elf > /nfsroot/vmlinux.gz
# cd /nfsroot
# ln . boot

Nota: Se a última versão do CoLo não carregar com sucesso, você pode tentar uma versão anterior. Sabe-se que a Versão 1.16 e anteriores funcionam.

Configuração de servidor de NFS

Já que esta máquina usa NFS para baixar sua imagem, você precisa exportar /nfsroot para seu servidor. Se você não houver feito, você precisará instalar o pacote net-fs/nfs-utils.

Listagem de código 5.2: Instalando nfs-utils

# emerge net-fs/nfs-utils

Uma vez que for feito, coloque o seguinte em seu arquivo /etc/exports. Você pode colocar restrições mais estritas se desejar.

Listagem de código 5.3: Exportando o diretório /nfsroot

/nfsroot      *(ro,sync)

Agora, uma vez que isso for feito, você pode iniciar o servidor de NFS:

Listagem de código 5.4: Iniciando o servidor de NFS

# /etc/init.d/nfs start

Se o servidor de NFS já estava rodando na hora, você pode pedir para que olhe de novo em seu arquivo exports usando exportfs.

Listagem de código 5.5: Exportando um novo sistema de arquivos

# exportfs -av

Configuração de DHCP para uma máquina Cobalt

Agora, o lado de DHCP das coisas é relativamente direto. Adicione o seguinte a seu arquivo /etc/dhcp/dhcpd.conf.

Listagem de código 5.6: trecho de dhcpd.conf para servidor Cobalt

subnet xxx.xxx.xxx.xxx netmask xxx.xxx.xxx.xxx {
  # ... parte normal aqui ...

  # Configuração para um sevidor Cobalt
  # Ajuste o hostname aqui:
  host qube {
    # Caminho para o diretório nfsroot.
    # Isto é principalmente para usar a opção de inicialização de TFTP no CoLo
    option root-path "/nfsroot";

    # Endereço de MAC do servidor Cobalt
    hardware ethernet 00:10:e0:00:86:3d;

    # Servidor para baixar a imagem
    next-server 192.168.10.1;

    # Endereço IP do servidor cobalt
    fixed-address 192.168.10.2;

    # Imagem para baixar
    # Novamente, isto é mais relacionado ao CoLo
    filename "gentoo-cobalt.img.gz";
  }
}

Iniciem seus daemons...

Neste ponto, você deve estar pronto para iniciar os daemons. Digite o seguinte:

Listagem de código 5.7: Iniciando os daemons de DHCP e NFS

# /etc/init.d/dhcp start
# /etc/init.d/nfs start

Se nada deu errado no último passo você deve estar pronto para ligar a estação de trabalho e continuar com o guia. Se o servidor de DHCP não estiver iniciando por algum motivo, tente rodar 'dhcpd' na linha de comando e veja se o que ele diz a você -- se tudo estiver bem, ele deve simplesmente ir para o background, caso contrário você verá 'exiting.' abaixo de sua reclamação.

Inicialização via rede da máquina Cobalt

Ok, tudo está configurado, DHCP e NFS estão rodando. Agora está na hora de iniciar a máquina Cobalt. Ligue seu cabo de null modem, e configure o terminal serial para usar 115200 baud, 8 bits, sem paridade, 1 bit de paridade, emulação de VT100. Uma vez que estiver feito, segure os botões de seta esquerda & direita quando estiver ligando a unidade.

Se tudo for bem, o painel traseiro deve mostrar "Net Booting", você deve ver atividade de rede, seguida de perto do início do CoLo. No painel traseiro, role o menu até ver "Boot Shell" e aperte ENTER. No console serial, você deve cair no prompt como mostrado abaixo.

Nota: Foi relatado que simplesmente selecionar a opção de NFS boot faz tudo isto para você em versões modernas do CoLo. Se selecionar esta opção não funcionar, leia em diante.

Listagem de código 5.8: CoLo iniciando em um prompt

[ "CoLo" v1.13 ]
stage2: 87fb0000-88000000
pci: unit type <Qube2>
tulip: {00:10:e0:00:86:3d}
ide: resetting
boot: running boot menu
>

Primeiro passo, diga para a máquina pedir um endereço via DHCP. Digite dhcp no prompt.

Listagem de código 5.9: Pedindo um endereço via DHCP

> dhcp
net: interface up
dhcp: DISCOVER
dhcp: OFFER 10.0.0.1 <-- 192.168.10.254
dhcp: REQUEST
arp: sent request for 192.168.10.254
udp: no matching socket 192.168.5.1:67 --> 10.0.0.1:68
arp: resolved 192.168.10.254
udp: no matching socket 192.168.5.1:67 --> 10.0.0.1:68
dhcp: DISCOVER
dhcp: OFFER 10.0.0.1 <-- 192.168.10.254
dhcp: REQUEST
udp: no matching socket 192.168.5.1:67 --> 10.0.0.1:68
dhcp: ACK
net: interface down
net: interface up
  address     10.0.0.1
  netmask     255.255.255.0
  gateway     10.0.0.254
  name server 192.168.5.1

NOTE: Se você tiver uma rede de Windows você pode ver mensagens do tipo udp: no matching socket. Elas são em resposta a broadcasts de rede em portas que o CoLo não reconhecem. Por mais chatas que sejam, são perfeitamente inócuas.

Listagem de código 5.10: mensagens de erro 'no matching socket'

udp: no matching socket 10.0.0.254:138 --> 10.0.0.255:138
udp: no matching socket 10.0.0.254:138 --> 10.0.0.255:138
udp: no matching socket 10.0.0.253:1062 --> 10.0.0.255:137
udp: no matching socket 10.0.0.253:1062 --> 10.0.0.255:137

Ok, o próximo passo é dizer para o servidor Cobalt baixar seu kernel.

Listagem de código 5.11: Baixando o kernel

> nfs 10.0.0.254 /nfsroot gentoo.img.gz
arp: sent request for 10.0.0.254
arp: resolved 10.0.0.254
udp: no matching socket 10.0.0.253:1062 --> 10.0.0.255:137
nfs: mounted "/nfsroot"
nfs: lookup "gentoo.img.gz"
nfs: mode <0100644>
4651KB loaded (1240KB/sec)
0048ada0 4763040t

E isso é tudo... ele agora baixou seu kernel, nós agora podemos começar a inicialização.

Listagem de código 5.12: Carregando o kernel

> execute
elf: 80080000 <-- 00001000 6586368t + 192624t
elf: entry 80328040
net: interface down
CPU revision is: 000028a0
FPU revision is: 000028a0
Primary instruction cache 32kB, physically tagged, 2-way, linesize 32 bytes.
Primary data cache 32kB 2-way, linesize 32 bytes.
Linux version 2.4.26-mipscvs-20040415 (root@khazad-dum) (gcc version 3.3.3...
Determined physical RAM map:
 memory: 08000000 @ 00000000 (usable)
Initial ramdisk at: 0x80392000 (3366912 bytes)
On node 0 totalpages: 32768
zone(0): 32768 pages.
zone(1): 0 pages.
zone(2): 0 pages.
Kernel command line: console=ttyS0,115200 root=/dev/ram0
Calibrating delay loop... 249.85 BogoMIPS
Memory: 122512k/131072k available (2708k kernel code, 8560k reserved, 3424k dat)

Se tudo estiver bem, você cair na shell de Busybox ash como mostrado abaixo, de onde você pode ir para Configurando sua rede.

Listagem de código 5.13: Quando as coisas estão indo bem...

VFS: Mounted root (ext2 filesystem) readonly.
Freeing unused kernel memory: 280k freed
init started:  BusyBox v1.00-pre10 (2004.04.27-02:55+0000) multi-call binary

Gentoo Linux; http://www.gentoo.org/
 Copyright 2001-2004 Gentoo Technologies, Inc.; Distributed under the GPL

 Gentoo/MIPS Netboot for Cobalt Microserver Machines
 Build Date: April 26th, 2004

 * To configure networking, do the following:

 * For Static IP:
 * /bin/net-setup <IP Address> <Gateway Address> [telnet]

 * For Dynamic IP:
 * /bin/net-setup dhcp [telnet]

 * If you would like a telnetd daemon loaded as well, pass "telnet"
 * As the final argument to /bin/net-setup.

Please press Enter to activate this console.

Resolução de problemas.

Se a máquina estiver sendo teimosa e recusando-se a baixar sua imagem, pode ser uma de duas coisas, (1) você fez alguma confusão em algum lugar, ou (2) ela precisa ser gentilmente convencida. (Não, abaixe o martelo!) Aqui está uma lista de coisas que você pode verificar:

  • O dhcpd está dando um endereço IP para a máquina Cobalt. Você deve ver algumas mensagens sobre um pedido de BOOTP nos registros de sistema. tcpdump também é útil aqui.
  • As permissões estão corretas em seu diretório /nfsroot. (deve ser legível globalmente)
  • Certifique-se de que o servidor NFS está rodando e exportanto o diretório /nfsroot. Verifique isso usando exportfs -v no servidor.

[ << ] [ < ] [ Início ] [ > ] [ >> ]


Imprimir

View all

Atualizado 27 de fevereiro de 2006

A versão original deste documento foi atualizada em 17 de agosto de 2014

Resumo: Você pode instalar o Gentoo de várias maneiras. Neste capítulo explicaremos como instalar o Gentoo usando as imagens de inicialização de rede para MIPS.

Sven Vermeulen
Autor

Roy Marples
Autor

Daniel Robbins
Autor

Chris Houser
Autor

Jerry Alexandratos
Autor

Seemant Kulleen
Desenvolvedor do Gentoo x86

Tavis Ormandy
Desenvolvedor do Gentoo Alpha

Jason Huebel
Desenvolvedor do Gentoo AMD64

Guy Martin
Desenvolvedor do Gentoo HPPA

Pieter Van den Abeele
Desenvolvedor do Gentoo PPC

Joe Kallar
Desenvolvedor do Gentoo SPARC

John P. Davis
Editor

Pierre-Henri Jondot
Editor

Eric Stockbridge
Editor

Rajiv Manglani
Editor

Jungmin Seo
Editor

Stoyan Zhekov
Editor

Jared Hudson
Editor

Colin Morey
Editor

Jorge Paulo
Editor

Carl Anderson
Editor

Jon Portnoy
Editor

Zack Gilburd
Editor

Jack Morgan
Editor

Benny Chuang
Editor

Erwin
Editor

Joshua Kinard
Editor

Stuart Longland
Editor

Tobias Scherbaum
Editor

Xavier Neys
Editor

Grant Goodyear
Revisor

Gerald J. Normandin Jr.
Revisor

Donnie Berkholz
Revisor

Ken Nowack
Revisor

Lars Weiler
Colaborador

Enderson Maia
Tradutor Responsável

Marcelo Góes
Tradutor

Eduardo Magalhães
Tradutor

Marcelo Azambuja
Tradutor

Marcos Vinicius Buzo
Tradutor

Donate to support our development efforts.

Copyright 2001-2014 Gentoo Foundation, Inc. Questions, Comments? Contact us.